Al

Al
“O tabagismo tem relação direta com mais de 50 doenças. Hoje é provado que não existe órgão que não seja afetado diretamente pelo cigarro”, afirma o médico Ricardo Meirelles.

Pautando Minas - A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que pelo menos um terço da população mundial adulta seja fumante. O tabagismo tem relação com vários tipos de câncer (pulmão, cavidade oral, laringe, esôfago, estômago, bexiga, colo do útero e leucemias). Fumantes chegam a ter 20 vezes mais chances de ter a doença no pulmão que não fumantes, 10 vezes mais chances de ter a doença na laringe e de duas a cinco vezes mais chances de desenvolver câncer de esôfago.

Ricardo Meirelles, médico Pneumologista da Divisão de Controle de Tabagismo do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), explica que o tabagismo afeta todos os órgãos do corpo humano. “O tabagismo em relação direta com mais de 50 doenças. Hoje é provado que não existe órgão que não seja afetado diretamente pelo cigarro. A fumaça, não só do cigarro como outros derivados do tabaco, possui 60 substâncias cancerígenas e 4700 substância toxicas”, explica. 30% dos casos de câncer tem ligação com o tabagismo, no caso de câncer de pulmão, por exemplo, a incidência sobe para 90%.

Entre os prejuízos causados pelo cigarro estão também os dermatológicos, como pele seca, aparecimento de rugas e queda de cabelo. O dermatologista Luciano Morgado, explica o motivo: “O cigarro, assim como no pulmão, causa a diminuição da circulação sanguínea na pele, a vaso constrição. Com a chegada menor de sangue no local, vão diminuindo as fibras colágenas e elásticas, que são o que dá firmeza para pele. Com isso a pele vai ficando com uma coloração amarelada e com mais rugas, principalmente ao redor dos lábios e dos olhos. Além disso, o cigarro aumenta a atividade de uma enzima que chama elastase, que no pulmão causa enfisema e na pela degrada as fibras elásticas”.

A pedagoga Doralice Vieira, 59 anos, fumou por 10 anos e sentiu muita diferença na pele. “Tive consequência sérias na minha pele por causa deste período fumando. Fiquei mais enrugada, com um código de barras, principalmente ao redor da boca. Sentia que a pele estava cansada. Além da parte estética, percebi que minha saúde também não estava a mesma, ficava ofegante depois de subir qualquer escada ou andar um pouco mais”, relembra.20150916 170228

A questão estética somada à saúde motivou Doralice a parar de fumar. “Isso foi me incomodando muito. Quando eu parei de fumar, notei a diferença que isso fazia na minha pele. Fiz inclusive alguns procedimentos estéticos para melhorar a aparência. Se eu não tivesse parado de fumar estaria com uns 15 a mais na minha aparência”.

O SUS oferece tratamento gratuito para quem quer deixar o tabagismo. A Secretaria Estadual e/ou Municipal de Saúde da sua região pode informar o local com o tratamento disponível mais próximo da sua casa. Para ter acesso ao tratamento, basta procurar uma Unidade Básica de Saúde que presta o atendimento, levar a identidade e se inscrever no programa de combate ao tabagismo do SUS.

Para saber mais sobre o tratamento gratuito para combater o vício do cigarro, acesse www.inca.gov.br/tabagismo . Parar de fumar sempre vale a pena em qualquer momento da vida, mesmo que o fumante já esteja com alguma doença causada pelo cigarro, tais como câncer, enfisema ou derrame.

Pele ressecada

Como o cigarro age: A nicotina provoca contração dos vasos sanguíneos, diminuindo a circulação sanguínea na pele, o que resulta em lesão das fibras elásticas e diminuição da síntese de colágeno.

Nascimento de rugas e marcas de expressão

Como o cigarro age: O consumo de nicotina leva à diminuição do nível de estrogênio, resultando em uma pele seca e com piora do seu aspecto geral. O fumo também aumenta a viscosidade sanguínea, a agregação das plaquetas e a atividade da enzima chamada elastase, o que resulta em formação defeituosa da elastina, tornando a pele mais espessa e fragmentada. Ou seja, faz a pele ficar cinzenta e com rugas proeminentes, apresentando mais linhas ao redor dos olhos e lábios.

Queda de cabelos

Como o cigarro age: Devido ao dano na microcirculação sanguínea, o fumo leva a uma diminuição no aporte de nutrientes e oxigênio nas células, resultando em cabelos com menos viço, ressecados e com maior índice de queda.

Recuperação de cirurgias

Como o cigarro age: Devido aos danos ocasionados na microcirculação sanguínea e no sistema imune, o tabagismo aumenta o risco de infecções, abertura dos pontos e de cicatrizes nas cirurgias plásticas, por exemplo.

Amarelamento de certas áreas do copo

Como o cigarro age: O alcatrão presente nos cigarros também pode levar à coloração amarelada dos dentes, unhas e da pele do rosto. Após parar de fumar, a pele pode apresentar melhora gradual ao decorrer do tempo.

Do Blog da Saúde

Colunistas