Deputada Raquel Muniz, mulher do prefeito de Montes Claros, tamb

Deputada Raquel Muniz, mulher do prefeito de Montes Claros, tamb
Segundo jornal 'Folha do Norte de MG' deputada é também acusada de formação de quadrilha, evasão de divisas e interposição fraudulenta

Pautando Minas - A deputada Raquel Muniz (PSD-MG) virou tema nacional depois de seu voto na Câmara pelo impedimento de Dilma confiante no fim da corrupção e na fala que o "Brasil tem jeito" usando de exemplo a gestão do seu marido em Montes Claros, Minas Gerais.

Acontece que o prefeito da cidade mineira foi preso pela Polícia Federal horas depois da votação do impeachment. Além disso, Raquel não está livre das investigações: segundo o jornal Folha do Norte de Minas Gerais, a parlamentar é indiciada pela Receita Federal e pela PF por formação de quadrilha, evasão de divisas e interposição fraudulenta em conjunto a seu marido. (Veja Aqui)

Ele que continua preso pela PF, é acusado de comprar R$9 milhões em equipamentos de saúde na Europa. Os equipamentos deveriam ir para o Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro, mas teriam sido doados ao Hospital Universitário da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), que tem jurisdição estadual. Eles são acusados pelo Ministério Público Federal, ainda, de tentar driblar o pagamento de impostos de importação ao usar o nome da Associação Mantenedora de Estabelecimentos Escolares, Promoção e Ação Social [Amas], entidade ligada à Prefeitura de Montes Claros.

Em entrevista coletiva há dois meses, Ruy atacou a Receita, o Ministério Público e a Polícia Federal. Ele se disse perseguido pelas autoridades que investigam o caso.

“Antes de junho de 2015, meu mandato não havia recebido nenhum processo. Depois da operação [Desiderato], em que acusei os gestores dos hospitais de estarem envolvidos em corrupção e que os médicos acusados não poderiam pagar pelos crimes sozinhos, a perseguição destes órgãos contra mim começou”, diz o prefeito que teria denunciado superfaturamento no hospital que é de base do SUS (Sistema Único de Saúde).

A seu favor, Ruy afirma que a prefeitura não terminou de adquirir os produtos. Já a secretária de Saúde do município, Ana Paula Nascimento, também presa na operação da Polícia Federal, havia dito na época que os equipamentos foram sim comprados e queria saber o que fazer com tais produtos: . “Já está provado que não há improbidade ou corrupção no HC. A preocupação agora é o que vai ser feito com os materiais comprados. O equipamento, por si só, não vai resolver a situação do HU, uma vez que nem leitos o suficiente para receber toda a carga o hospital tem. A saúde de Montes Claros já foi diagnosticada. Estamos com o HC pronto para ser prestador de serviços, para solucionar as demandas que trazem sofrimento para população, mas ao invés de apoio, as forças estão se unindo para entravar”, afirmou ela.

Colunistas