Cerveja de a

Cerveja de a
Desenvolvida por alunos da Ufam, no Amazonas, ela é destaque no segundo dia do IV Inovatech JF.

Pautando Minas - Das salas de aula da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) para o Brasil, a cerveja artesanal com açaí, criada por estudantes do curso de Engenharia de Petróleo e Gás, promete ser uma das atrações do IV Inovatech JF, que será realizado nos dias 20 e 21 de novembro no Premier Parc Hotel, em Juiz de Fora, Minas Gerais. A iniciativa, que começa a ser conhecida em todo o país, será apresentada aos mineiros numa palestra da estudante Aurilene Siqueira, que integra o projeto da Ufam, em palestra que será realizada às 14h do segundo dia do evento.

De acordo com a estudante, a ideia de empreender no ramo e criar uma cerveja com açaí em sua composição, trazendo raízes brasileiras à bebida europeia mais consumida no país, surgiu em sala de aula. Era preciso fazer um trabalho em grupo sobre equipamentos específicos para a indústria química, tendo surgido a ideia de realizar uma pesquisa sobre o que era necessário para se produzir uma cerveja de açaí. Logo, isto se desdobrou na iniciativa de não apenas listar os produtos, mas fazer a cerveja e patenteá-la para o mercado.

“Fizemos como desafio pessoal e, quando houve a divulgação da cerveja da forma como aconteceu, as pessoas começaram a nos procurar para entender melhor. Ficamos bem surpresos, pois não nos passava pela cabeça que isso viria a acontecer.” Hoje, dezenas de bares amazonenses já procuraram os estudantes para comercializar a bebida, mas eles ainda estudam qual o melhor destino para a ideia nascida no campus da Ufam.

 

Higiene e qualidade diferenciam o produto

A pesquisadora revela que o principal cuidado a se ter com o produto, em se tratando de uma cerveja artesanal, é evitar a contaminação. Segundo Aurilene, “é fácil contaminar um lote, visto que artesanalmente os equipamentos não são de grande porte e o controle é mais difícil”. Ela explica, ainda, que neste segmento o número de funcionários costuma ser reduzido, o que aumenta a necessidade do cuidado de cada um. “Aprendemos um pouco mais a cada dia, desde os processos intrínsecos à produção e ‘química bruta’ até gestão e controle de empresas.”

Ela enfatiza que, quanto à chegada do produto ao mercado, a maior preocupação deve ser com a qualidade, visto que os clientes costumam ser experientes e entender do assunto. “O uso de equipamentos adequados e o capricho na higienização de todo o processo colabora para resultados satisfatórios.”

 

“Beber menos, porém melhor”

Ao analisar o mercado das cervejas artesanais, Aurilene chega à conclusão de que o embrião surgido há dez anos, quando as primeiras iniciativas caseiras surgiram no país, tomou forma e aprimorou o gosto do brasileiro pela cerveja. Antes seduzido pelas campanhas publicitárias e consumidor dos produtos simplificados das multinacionais, hoje o consumidor do país é exigente, gosta de “beber menos, porém melhor”. “É uma vertente em crescimento, voltada para um bem-estar muito maior.”

Hoje, ela conclui, é muito mais fácil encontrar quem faça sua própria cerveja e procure dicas de como começar, como melhorar seu produto. “Isso ajuda e impulsiona o mercado”, finaliza Aurilene Siqueira.

 

IV Inovatech JF

Em sua quarta edição, o Inovatech JF terá várias palestras nas áreas de cervejas artesanais, segmento em que Juiz de Fora é uma potência regional, além de apicultura e tecnologia fitness. Haverá dicas para empreendedores, estandes com amostra de produtos e workshops para qualificação de empresários e profissionais. Os interessados em participar do IV Inovatech JF devem procurar o site do evento, onde há informações sobre as inscrições.

Colunistas